quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017

RPC 5 - ANOITECEU!

  Anoiteceu!
E os olhos solares já não testemunham nossos atos, esforços, entregas. As cores do dia recolhem-se às sombras do mistério. As luzes se apagam para revelar um segundo tempo, em que a vida prefere semear, se iludir, respirar profundamente a vista do descanso, prazer, martírio, relaxamento.
Anoiteceu!
E as máscaras do quotidiano cedem lugar para as expressões mais sinceras: cansaço, desejo, decepção, luxúria, tristeza, preguiça. O cansaço da lida se acomoda para que o avesso dos seres se revelem. Despertam os instintos, abrem-se as cortinas das vontades, fecham-se as portas da aparência.
E nos meios em que os indivíduos se aglomeram, o corpo deixa de ser escravo das ambições da mente para virar o senhor dos atos, razão e fim de cada olhar, palavra, movimento.
Anoiteceu!
Mudamos de tom, de cor, de semblante. E o que se vê a partir de então é, da terça parte, a face mais verdadeira do que guardam as neblinas de cada ser.
Anoiteceu!
E já não podemos fugir das verdades mais íntimas.

PARA RECEBER A PUBLICAÇÃO, INFORME SEU E-MAIL NO FORMULÁRIO DE CADASTRO OU ENVIE UMA MENSAGEM PARA:
Revista@primeirocapitulo.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário